Não vim para explicar, vim para confundir

Por Flávio Calife/Bruna Martins 

Não está fácil entender os números do desemprego no Brasil. Em um único mês o IBGE divulgou três resultados diferentes, e todos podem ser considerados corretos.

A confusão começa pelo fato do IBGE atualmente possuir duas pesquisas sobre o mercado de trabalho, a Pesquisa Mensal do Emprego (PME) e a Pnad Contínua. A diferença metodológica mais evidente entre elas é a abrangência territorial: enquanto a Pnad realiza entrevistas em cerca de 3.500 municípios, a PME é restrita apenas a 6 regiões metropolitanas (São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador, Belo Horizonte e Recife). Os indicadores da Pnad trabalham com o conceito de trimestre móvel, sendo o mês de referência o último disponível para análise, que neste caso é janeiro de 2016.

O trivial é a publicação mensal dos dados. Mas em março surpreendentemente tivemos duas divulgações da Pnad e uma da PME. No dia 15 de março foi divulgada a Pnad Contínua com dados sobre o desemprego de dezembro de 2015, no dia 23 de março a PME trouxe os dados de fevereiro de 2016 e no dia 24 a Pnad Contínua apresentou os dados de janeiro de 2016.

Por ser mais abrangente, a Pnad costuma trazer valores mais elevados para o desemprego. O último dado mostra uma taxa de desocupação de 9,5% no trimestre móvel encerrado em janeiro. A PME trouxe para janeiro uma taxa de 7,6%, mas já foi divulgado o dado de fevereiro (8,2%), indicando que provavelmente teremos aumento nos números da Pnad no próximo mês.

Para nosso alívio, a PME será descontinuada neste mês e a Pnad passará a ser a única fonte oficial brasileira sobre dados do mercado de trabalho a partir de abril. Se nada mudar até lá. O Brasil não é mesmo para principiantes.

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…