Nova deflação no IGP-M

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

O Índice Geral de Preços (IGP-M) da FGV registrou queda de 0,61% em julho, a terceira deflação mensal consecutiva. Novamente o grande responsável pela baixa foram os preços dos itens no atacado (IPA), que tiveram retração de 1,11%, enquanto que os preços ao consumidor (IPC) e os custos da construção civil (INCC) apresentaram alta de 0,15% e 0,80%, respectivamente.

A recente queda do preço das commodities nos mercados internacionais, principalmente as agrícolas, como soja e milho, afeta diretamente o IGP-M, uma vez que os preços no atacado representam 70% do índice total. Tal comportamento irá reduzir a pressão dos reajustes dos alugueis no próximo ano, uma vez que após 7 meses de 2014 a inflação acumulada do IGP-M é de apenas 1,83%. Mas o alívio para por aí. Quando analisada a inflação que realmente afeta o poder de compra do consumidor (IPC), já temos nos primeiros 7 meses de 2014 inflação de 4,45%, e no acumulado em 12 meses elevado patamar de 6,69%.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC reúne especialistas para debater avanços e benefícios econômicos do Cadastro Positivo

A Boa Vista SCPC recebeu autoridades como Oscar Madeddu, do Banco Mundial, João André Pereira, do Banco Central do Brasil e César Calomino, da Equifax do Uruguai, para falar sobre o Cadastro Positivo e os seus impactos econômicos e sociais, inclusive em países em desenvolvimento onde já é uma realidade. Estes convidados também salientaram a…

Recuperação de crédito cai 2,3% no acumulado 12 meses

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 2,3% na variação acumulada em 12 meses (setembro de 2016 até agosto de 2017). A variação mensal com dados dessazonalizados apresentou aumento de 4,5% contra o mês…

Relatório de Crédito – jul/17

O Banco Central do Brasil (BCB) divulgou os dados de crédito referente a julho. A expansão das operações de crédito, até o momento, continua em ritmo moderado. O crescimento do saldo veio levemente abaixo do esperado, com redução na variação anual (caiu 1,6% em junho/17 contra diminuição de 1,7% em jul/17), atingindo R$ 3,1 trilhões,…