Nova equipe econômica discursa sem convencer mercados

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Em sua primeira coletiva, os novos ministros da Fazenda e de Planejamento, Orçamento e Gestão, Joaquim Levy e Nelson Barbosa, respectivamente, retomaram o discurso de austeridade fiscal ao prometerem resultados primários positivos nos próximos anos, de 1,2% do PIB em 2015 e de 2% nos anos seguintes. Isso significa economia anual da ordem de R$ 60 bilhões em 2015 para cobertura parcial da conta de R$ 260 bilhões de juros da dívida interna federal. Nos anos seguintes, tentar-se-á maior economia, da ordem de R$ 110 bilhões por ano. Quando cotejadas com metas em anos anteriores ao governo Dilma, tais superávits primários parecem acanhados. Mas os novos ministros estão agindo com prudência e realismo. Parece preferível prometer menos neste momento. Mas, de fato, o que pretendem será um novo grande esforço para os pagadores de impostos. Se a meta de 1,2% do PIB (R$ 60 bilhões) for acrescentada ao déficit primário efetivo deste ano – da ordem de R$ 50 bilhões, pelo menos, em vista de receitas de Refis não recorrentes e outras manobras contábeis – o esforço real dos contribuintes em 2015 será de cerca de R$ 110 bilhões, da exata magnitude do que se pretende atingir nos anos seguintes.

O que não foi prometido nem comentado nessa primeira entrevista é como ou quando a administração Dilma conseguirá controlar o desenfreado gasto público. Fazer superávit primário para ajudar a pagar juros não significa gastar com moderação. Pode ser o mesmo que dizer: o gasto continuará explodindo, mas novos e maiores tributos haverão de cobrir esses dispêndios e parte dos juros da dívida. Óbvio que os novos ministros não rezam pela cartilha do gasto descontrolado. Mas ao afirmarem que “não há nenhuma agonia” em relação à situação de emperramento da economia produtiva e ao descontrole fiscal, os ministros podem haver agradado a chefe, que não compareceu à apresentação oficial dos seus novos funcionários, mas criaram um anticlímax em relação às expectativas de reversão positiva precocemente alimentadas na imprensa sobre as recentes nomeações.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…