OPEP não quer a redução da produção de petróleo

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O governo da Venezuela solicitou à Opep uma reunião de emergência para organizar uma ação para limitar a produção e retomar a cotação do petróleo, que vem caindo continuamente até alcançar ontem seu valor mais baixo em quase quatro anos, cotado abaixo de US$ 88 o barril. No entanto, os países do Oriente Médio recusaram a proposta da Venezuela. Não só recusaram como estão dando descontos nos preços do barril de petróleo para ganhar fatias de mercado. A Arábia Saudita avisou informalmente ao mercado que pode aceitar preço do barril entre US$ 80 e US$ 90. O Kuait está vendendo o barril US$ 0,50 mais barato que o da Arábia Saudita. Irã e Iraque comandam a baixa de preço para clientes na Ásia.

O governo da Venezuela começa a mostrar pânico depois que o preço do barril de seu petróleo caiu US$ 3,17 somente na semana passada. Para alcançar o ponto de equilíbrio fiscal, a Venezuela precisa que o preço de petróleo fique em torno de US$ 121 o barril, segundo estimativa realizada pelo Deutsche Bank. A despeito dos preços muito favoráveis do petróleo até recentemente, a petroleira venezuelana PDVSA, conseguiu o prodígio de produzir menos petróleo, reduzindo a produção em quase 20%. A Venezuela perdeu a oportunidade de se preparar para um patamar mais baixo. A birra de Chávez e seu sucessor Maduro com o setor empresarial também foi desastrosa para os propósitos de aumentar os investimentos na Venezuela. Tudo indica que os próximos anos não serão fáceis para o país. No Brasil a queda do petróleo também não deve passar incólume. A geração de caixa da Petrobras será prejudicada. O pré-sal exigirá enormes quantias de recursos para sua total implantação e exploração. Resta saber se teremos capacidade e, principalmente, tempo para usufruir dos seus sonhados benefícios.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…