Pesquisa DataFolha revela um país amadurecido e disposto a mudar

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A pesquisa DataFolha publicada neste domingo revela de modo inédito a face de um país que amadurece a passos largos e se revela disposto a encarar mudanças. A pesquisa não foi publicada em sua inteireza. Mas os resultados no campo econômico e comportamental são reveladores. Em relação aos impostos, em especial, podemos considerar espantoso – por ser tão elevado – o percentual de respondentes (49%) que acha preferível pagar menos impostos a ter que arcar com serviços de educação e saúde oferecidos pelo Estado. Nesse item, 43% estão do outro lado, preferindo os serviços “gratuitos” do Estado. A reportagem da Folha interpretou esse resultado como “dividido”, entre o País que prefere mais ou menos presença do Estado na vida econômica das famílias. O resultado parece ser reforçado por outra questão, se o governo deve ou não ser o maior responsável por investir para a economia crescer: 67% disseram que sim, enquanto 24% responderam que as empresas devem fazê-lo.

Nossa interpretação diverge da reportagem e ressalta o caráter privatista que, de fato, está escondido nas respostas do brasileiro a esta excelente pesquisa nacional. Não foi cogitado que o brasileiro da classe C para baixo em geral não se percebe pagando imposto. Isso decorre da total falta de informação e transparência sobre o que esse indivíduo paga. Considerando que as classes C, D e E são as que mais pagam os impostos indiretos sobre consumo e estas constituem mais de 70% da população, o número de respondentes que rejeitam mais impostos e preferem sua independência frente ao Estado é surpreendentemente elevado! Não se deveria esperar mais do que uma pequena minoria rejeitando benesses do governo. Mas, se devidamente informada de que não há serviços gratuitos, a proporção seria majoritária. E quanto aos que esperam que o governo conduza os investimentos, é natural que seja assim, pois os respondentes estariam pensando em serviços públicos e infraestruturas, com toda certeza. Não há qualquer traço de “esquerdismo” de cunho ideológico nessas respostas. Vemos uma população amadurecida, tentando preservar um futuro melhor, cobrando do Estado mais e melhor gestão e, mesmo com o olhar tapado pela venda da desinformação, conseguindo enxergar o que paga frente a um Estado tão voraz quanto paquidérmico.

Ed.330

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas aumentou 6,6% no 1º trimestre de 2017, segundo Boa Vista SCPC

No 1º trimestre de 2017 o número de novas empresas cresceu 6,6% em relação ao mesmo período de 2016 (análise interanual), segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em relação ao 4º trimestre de 2016 houve aumento de 29,2%. Forma jurídica Na análise por classificação de forma…

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…