PIB inicia 2014 a passo lento, com investimento em queda

Por Thiago Custódio Biscuola, da RC Consultores

O Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de 2014, que representa a soma de todos os bens e serviços finais produzidos no país, registrou alta de 0,2% na comparação com o quarto trimestre de 2013 (série com ajuste sazonal). O setor agropecuário novamente teve grande contribuição ao crescer 3,6% no período, resultado superior às expectativas. O setor de serviços, por seu turno, contribuiu com um avanço de apenas 0,4%. Por outro lado, a indústria declinou 0,8% frente ao último trimestre do ano passado. Este resultado já incorporou a reformulação metodológica da pesquisa industrial responsável por elevar o crescimento do PIB em 2013 de 2,3% para 2,5%. A base de comparação mais elevada contribuiu para esta queda mais significativa do índice. Em relação a igual período de 2013, o PIB do primeiro trimestre de 2013 cresceu modesto 1,9%.

Do lado da demanda, o consumo do governo sustentou o crescimento ao avançar 0,7%. Já as famílias consumiram menos, registrando queda de 0,1%. Inflação persistentemente alta, menor avanço do crédito e aumento dos juros na ponta já começam a ter um impacto mais efetivo na capacidade de compra do consumidor. A queda da confiança do empresariado e as incertezas que rondam a economia em ano eleitoral, que continuarão a inibir os investimentos em 2014, contribuíram para que a formação bruta de capital fixo tivesse retração de 2,1% em relação ao trimestre anterior. Do lado do setor externo, as importações continuam avançando num ritmo maior que as exportações. O crescimento do PIB acumulado nos últimos quatro trimestres se manteve em 2,5%. No entanto, este número deverá declinar ao longo do ano. Após este resultado, que veio em linha com nossas projeções, a RC Consultores mantém a perspectiva de 1,9% de crescimento para 2014, o que poderá implicar em crescimento médio inferior a 2% a.a. no quadriênio 2011-14.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…