A primeira nuvem negra de 2014

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A União Europeia oficializou hoje o congelamento e recuperação de ativos de pessoas identificadas como responsáveis pelos desvios públicos ucranianos e por violações de direitos humanos. Notícias desta manhã dão conta que tropas russas começam a abandonar algumas bases militares na Crimeia, mas estão destruindo parte do equipamento militar ucraniano.

A crise da Crimeia é a primeira nuvem negra do ano de 2014. A discussão é responder à pergunta milionária: o risco político vai disparar e o contágio nos mercados financeiros vai se alastrar, ou a turbulência político-militar na região vai ser limitada e o impacto econômico-financeiro será moderado? Esta crise política vem somar-se à instabilidade nas economias emergentes e ao risco de deflação na zona do euro. Não é, ainda, uma tempestade perfeita, mas pode ser o suficiente para uma enorme turbulência. Enquanto nos entretínhamos vendo o Carnaval, o efeito da crise da Crimeia nas primeiras sessões de março em diversos mercados financeiros era de muito nervosismo. A bolsa de Moscou viveu um crash, com o índice recuando 10,8%. O rublo registrou mínimo face ao euro e ao dólar. O ouro subiu 2,2%, as Bunds alemãs caíram para 1,56% e as Treasuries americanas de 10 anos recuaram para 2,6%. As commodities subiram, o preço do petróleo Brent avançou 1,75% e o trigo 4,9%. Passado o Carnaval, os esforços diplomáticos dos últimos dias para resolver a crise na Ucrânia estão dando sustentação à reversão das expectativas. As bolsas globais sobem, o valor das commodities, sobretudo milho e trigo, estão sendo corrigidas das disparadas das últimas sessões. Também hoje o BCE deixou inalterada a taxa de juro básica em 0,25% pelo quarto mês consecutivo. Por seu turno, o Comitê de Política Monetária britânico optou por manter, pelo sexto mês consecutivo, a taxa básica de juros em 0,5%. Ainda é cedo para comemorar o aliviar das tensões da primeira nuvem negra de 2014.

Ed.376

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…