Primeiras contradições em Caixa

Por Yan Cattani, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

A Caixa, além de ser o segundo maior banco público brasileiro, é uma das principais plataformas financeiras para implementação de políticas de distribuição de renda utilizadas pelo governo federal nos últimos anos. Além de deter a operação exclusiva do maior programa federal do gênero, o Bolsa Família, a Caixa também operacionaliza os recursos e subsídios do programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV). É também, portanto, uma fundamental engrenagem do nosso mercado financeiro.

Após a definição dos ministérios do novo governo, começam a ser definidas as lideranças do chamado “segundo-escalão”, e dentre eles a Caixa, que deverá ter nova presidência a ser assumida provavelmente pela ex-ministra Miriam Belchior. Uma de suas atuações enquanto ministra do Planejamento foi o de assegurar, justamente, a segunda fase de implementação do PMCMV. Ao substituir Jorge Hereda, um técnico de longa carreira burocrática, por uma indicação política, o governo sinaliza sua intenção em manter o uso do banco estatal como braço-direito de seus programas sociais. Atualmente o banco possui baixa inadimplência, as concessões de crédito crescem acima do registrado pelos grandes bancos e o programa federal expande sua cobertura.

Portanto, as coisas correm bem. O problema é que, em um ambiente de ajuste fiscal já anunciado e fortemente enfatizado, uma terceira fase do PMCMV nos mesmos moldes anteriores parece ser contraditório. Em 2014 houve um dispêndio acima de R$ 17 bilhões apenas com os subsídios do governo para o programa. Esta cifra equivale nominalmente a 2,4 vezes o valor do corte de gastos que a área de educação sofrerá neste ano, sendo este o setor com maior redução de custos, conforme anúncio ocorrido na semana anterior. Caso o governo não altere os rumos dos programas federais como o PMCMV, os gastos de custeio serão – pelo menos – mantidos constantes. Nesse cenário, restará partir para o corte de investimentos públicos.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…