Receitas menores, custos financeiros maiores

O ambiente de negócios para as grandes empresas no Brasil está se tornando cada vez mais desafiador. Além das expectativas de retração da atividade econômica, que pode influenciar significativamente a geração de receitas das empresas, o risco associado às operações dessas empresas vem aumentando.

De acordo com a agência de classificação de risco Moody’s, o Brasil tem hoje o maior número de empresas na última nota de grau especulativo e com possibilidade de perda de grau de investimento. E a piora do cenário econômico no Brasil fez com que a América Latina se tornasse a região com mais casos nessa condição. A classificação de risco das empresas afeta diretamente os custos e o volume dos empréstimos estrangeiros destinados a essas empresas.

Internamente, a tomada de crédito também está ficando mais complicada. Os bancos aumentaram o custo dos empréstimos nos primeiros meses do ano para as grandes empresas. A inadimplência PJ divulgada pela Boa Vista SCPC, em março de 2015, mostrou aumento de 5,7% nos registros de empresas inadimplentes no acumulado em 12 meses, contra os 12 meses anteriores. As empresas estão vendendo menos e a percepção de risco com os calotes subiu. Assim, além das taxas básicas de juros, os spreads também subiram, aumentando o custo final dos empréstimos.

A Petrobras, empresa que mais contribuiu para a situação de stress entre as grandes empresas, finalmente deve divulgar seus balanços auditados, do terceiro e do quarto trimestre de 2014. O balanço que sai hoje é considerado o mais importante da história da empresa, pois deve incluir as baixas contábeis resultantes da Operação Lava Jato.

Mesmo que a divulgação seja bem aceita, a Moody’s acredita que os efeitos da “saga” da Petrobras devam perdurar, mesmo que com menor intensidade. A desalavancagem nos investimentos da empresa continuará contribuindo para o declínio da atividade em toda a cadeia de suprimentos de óleo e gás, e a disputa com investidores não deve se encerrar com a publicação do balanço.

Os riscos permanecem altos e a única certeza que há é a de que haverá nova safra de receitas reduzidas e custos financeiros elevados.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…