Receitas menores, custos financeiros maiores

O ambiente de negócios para as grandes empresas no Brasil está se tornando cada vez mais desafiador. Além das expectativas de retração da atividade econômica, que pode influenciar significativamente a geração de receitas das empresas, o risco associado às operações dessas empresas vem aumentando.

De acordo com a agência de classificação de risco Moody’s, o Brasil tem hoje o maior número de empresas na última nota de grau especulativo e com possibilidade de perda de grau de investimento. E a piora do cenário econômico no Brasil fez com que a América Latina se tornasse a região com mais casos nessa condição. A classificação de risco das empresas afeta diretamente os custos e o volume dos empréstimos estrangeiros destinados a essas empresas.

Internamente, a tomada de crédito também está ficando mais complicada. Os bancos aumentaram o custo dos empréstimos nos primeiros meses do ano para as grandes empresas. A inadimplência PJ divulgada pela Boa Vista SCPC, em março de 2015, mostrou aumento de 5,7% nos registros de empresas inadimplentes no acumulado em 12 meses, contra os 12 meses anteriores. As empresas estão vendendo menos e a percepção de risco com os calotes subiu. Assim, além das taxas básicas de juros, os spreads também subiram, aumentando o custo final dos empréstimos.

A Petrobras, empresa que mais contribuiu para a situação de stress entre as grandes empresas, finalmente deve divulgar seus balanços auditados, do terceiro e do quarto trimestre de 2014. O balanço que sai hoje é considerado o mais importante da história da empresa, pois deve incluir as baixas contábeis resultantes da Operação Lava Jato.

Mesmo que a divulgação seja bem aceita, a Moody’s acredita que os efeitos da “saga” da Petrobras devam perdurar, mesmo que com menor intensidade. A desalavancagem nos investimentos da empresa continuará contribuindo para o declínio da atividade em toda a cadeia de suprimentos de óleo e gás, e a disputa com investidores não deve se encerrar com a publicação do balanço.

Os riscos permanecem altos e a única certeza que há é a de que haverá nova safra de receitas reduzidas e custos financeiros elevados.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito sobe 3,0% em janeiro

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base do crédito– apontou elevação de 3,0% na análise mensal contra dezembro, descontados os efeitos sazonais. Já na variação acumulada em 12 meses apresentou alta de 2,7%, enquanto na análise interanual (mesmo mês de 2016) houve…

81% dos consumidores esperam que em 2017 a relação entre recebimento e gastos melhore, segundo Boa Vista SCPC

A maioria dos entrevistados (81%) na Pesquisa Perfil do Inadimplente, da Boa Vista SCPC, espera que em 2017 a relação entre recebimentos e gastos esteja melhor do que a existente no 4º trimestre de 2016, período no qual o levantamento foi elaborado contendo a participação de consumidores de todo o país. Em dezembro de 2015,…

CDC completa 27 anos e representa uma conquista de consumidores e de empresas

Março é um mês especial para os consumidores (e para as empresas). É que no dia 11, há 27 anos, entrou em vigor o Código de Defesa do Consumidor (CDC). A Lei 8.078 foi assinada pelo então presidente Fernando Collor em setembro de 1990, determinando que entrasse em vigor seis meses depois, no dia 11…