Resultado da balança comercial é reflexo do fraco desempenho da economia

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A balança comercial brasileira registrou em maio um superávit de US$ 712 milhões. Embora o resultado tenha sido melhor do que o esperado pelo mercado e o melhor resultado mensal deste ano, foi o pior para meses de maio em 12 anos. Neste ano, a balança comercial registra déficit de US$ 4,8 bilhões. As vendas ao exterior de produtos semifaturados, como alumínio e celulose, caíram 9,8% e produtos manufaturados, como carro e papel, recuaram 8% nos cinco primeiros meses do ano. Produtos básicos, como soja em grãos e minérios, subiram 2,9% no período. Do lado das importações, bens de capital recuaram 2,3%, bens de consumo tiveram aumento de 1,9% e o principal destaque, combustíveis e lubrificantes, caíram 14,5% no acumulado do ano. Só em maio a queda de importação de combustíveis e lubrificantes foi de 22,8%.

O que ajuda a explicar o resultado melhor do que o esperado foi a surpresa com a queda acentuada de importação de combustíveis e lubrificantes. É um recuo surpreendente dado que o consumo segue no mesmo ritmo e a produção interna ainda não atingiu as expectativas. O resultado da balança comercial neste período reflete a baixa taxa de crescimento da economia e a queda da demanda. No ano, a balança comercial deve ser ligeiramente melhor que em 2013. A partir de junho haverá efeito menor da base de comparação em petróleo e derivados. A exportação de automóveis e autopeças, cujo resultado em maio em relação ao mesmo mês de 2013 foi um recuo de 37,1% e 29,3% respectivamente, não deve reagir. Além disso, embora o minério de ferro, principal item na pauta de exportação, tenha aumentado o volume exportado, o preço médio recuou de US$ 108,6/ton em maio de 2013 para US$ 84,5/ton no último mês, uma queda de 22,2%. Tendência que deve permanecer nos próximos meses.

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…