Rumo do Comércio

A Boa Vista SCPC divulgou hoje o resultado de maio do indicador de Movimento do Comércio, que apontou queda de 1,8% no mês para a série dessazonalizada. No acumulado do ano, o indicador acumula queda de 1,3% na comparação com o mesmo período do ano passado, e na variação acumulada em 12 meses, o movimento do comércio ainda apresenta alta de 0,7%.

Dentre os principais setores, houve alta do segmento de “Combustíveis e Lubrificantes” de 1,9% em maio – considerando dados dessazonalizados. Também observou-se leve aumento do setor de “Supermercados, Alimentos e Bebidas”, de 0,3% entre abril e maio. Já o setor de “Móveis e Eletrodomésticos” apresentou forte queda de 5,3% no período, seguido da categoria de “Tecidos, Vestuários e Calçados”, que também caiu no mês 1,3%.

O indicador continua apresentando desaceleração em sua tendência de longo prazo, fato observado desde meados do segundo semestre de 2014, e acompanha o resultado oficial para o setor varejista medido pelo IBGE, que aponta crescimento de 0,2% em 12 meses e queda de 1,5% no acumulado do ano. Fatores macroeconômicos como elevação de juros, piora do mercado de trabalho, aumento de tributos e inflação em patamares elevados continuarão afetando de forma intensa a confiança e a intenção de compra do consumidor em 2015. Outro indicador, o de confiança do comércio (FGV), também variou negativamente em maio (-0,6%) e recua expressivos 17,9% em relação a maio do ano passado.

Enquanto a confiança na economia não retoma a trajetória de alta, uma maior cautela por parte de consumidores e empresários deverá ser esperada. Os números de hoje do relatório Focus do Banco Central confirmam piora nas expectativas para a atividade econômica, inflação e juros e ainda não dão alento para a mudança no rumo da confiança. Desde 2003, quando se inicia a atual série do IBGE sobre o Comércio Varejista, nunca foi observado um crescimento negativo para o setor. Mantendo-se o atual ritmo, há grandes chances disso acontecer.

Comentários

comentários