Rússia desbanca Brasil como a maior taxa de juros do mundo

Por Paulo Rabello de Castro e José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O Banco Central russo, numa decisão que surpreendeu os mercados, subiu os juros em 6,5 pontos percentuais para 17% ao ano. É a maior subida de juros desde 1998, ano em que o Kremlin decretou a moratória e desvalorizou o rublo. O objetivo do BC russo foi proteger a moeda, que já se desvalorizou 75% desde o início do ano. A economia russa está fragilizada pelo impacto das sanções ocidentais em resposta ao conflito ucraniano e pela queda acentuada dos preços do petróleo que, juntamente com o gás, representa cerca de metade das receitas do país. Segundo o Banco Central russo, a economia do país deve se contrair 4,7% no próximo ano se o preço do petróleo se mantiver no entorno dos US$ 60 por barril.

A desvalorização do rublo não é fato isolado, embora, por diversos motivos, seja a moeda que mais se desvalorizou este ano. A recuperação americana e a especulação sobre uma possível alta dos juros pelo Fed foram suficientes para levar o dólar a subir diante das principais moedas. O Real já se desvalorizou mais de 15% este ano. O BC brasileiro vinha contendo a alta do dólar através dos leilões diários de swap, cujo estoque já atinge algo em torno de US$ 100 bilhões. No entanto, desde o início de dezembro esses leilões não têm conseguido controlar a alta. O BC já começou a usar os juros para proteger o Real. Embora a ata do Copom indicasse a preocupação com a inflação, o verdadeiro objetivo da alta de 0,5 ponto percentual este mês foi a desvalorização do real. Não será surpresa se o BC tiver que subir os juros além do programado. A diferença entre o Brasil e a Rússia, quando ambos usam os juros para proteger a moeda, é que lá o aumento é pontual. Aqui, os juros ficam elevados por tempo indeterminado. De fato, há vinte anos o Brasil pratica juros “anormais”.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…