“Shutdown” nos EUA começa a mostrar seus primeiros impactos na economia

Por Thiago Custódio Biscuola, da RC Consultores

A não aceitação na noite de ontem, pelos Democratas, da proposta apresentada pelo Partido Republicano de elevar o teto da dívida, provisoriamente manteve o impasse orçamentário nos EUA. A Casa Branca sugere uma medida de longo prazo enquanto tenta passar o orçamento fiscal de 2014. Alguns indicadores já começam a sinalizar os efeitos da paralisação de cerca de 800 mil funcionários. Ontem, o Departamento de Estatística do FED divulgou que o número de pedidos de seguro-desemprego registrou alta de 66 mil na semana passada, atingindo 374 mil. A expectativa do mercado era de uma alta de apenas 4 mil.

A forte contração dos gastos do governo norte-americano deverá afetar o dinamismo da economia real neste último trimestre. O quanto ainda não se sabe. Segundo estimativa da IHS Inc., cada semana de paralisação gera uma perda de pelo menos US$ 1,6 bilhões no produto da economia. Além do tempo de duração, outra dúvida é se o governo norte-americano irá compensar seus funcionários retroagindo seus rendimentos durante este período. Em 1995, ano de registro do último “shutdown”, os 21 dias de paralisação levaram a uma queda de 14,2% do consumo do governo (em termos anuais) e uma perda estimada de cerca de 1 p.p no crescimento geral da economia. Dado este cenário, o fim do programa de compra de títulos públicos deve ficar somente para 2014, o que também depende dos rumos que a nova diretoria do FED tomar. Caso a indicação de Janet Yellen seja aprovada pelo Senado, a tendência é que o afrouxamento monetário leve mais tempo para cessar. Se o crescimento da economia mundial em 2013 já não era dos melhores, tal indefinição acarretará um resultado ainda pior.

Ed.290

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC reúne especialistas para debater avanços e benefícios econômicos do Cadastro Positivo

A Boa Vista SCPC recebeu autoridades como Oscar Madeddu, do Banco Mundial, João André Pereira, do Banco Central do Brasil e César Calomino, da Equifax do Uruguai, para falar sobre o Cadastro Positivo e os seus impactos econômicos e sociais, inclusive em países em desenvolvimento onde já é uma realidade. Estes convidados também salientaram a…

Recuperação de crédito cai 2,3% no acumulado 12 meses

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 2,3% na variação acumulada em 12 meses (setembro de 2016 até agosto de 2017). A variação mensal com dados dessazonalizados apresentou aumento de 4,5% contra o mês…

Relatório de Crédito – jul/17

O Banco Central do Brasil (BCB) divulgou os dados de crédito referente a julho. A expansão das operações de crédito, até o momento, continua em ritmo moderado. O crescimento do saldo veio levemente abaixo do esperado, com redução na variação anual (caiu 1,6% em junho/17 contra diminuição de 1,7% em jul/17), atingindo R$ 3,1 trilhões,…