SINPROFAZ mostra urgência de um Plano Real para os impostos

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

De onde menos se esperava surge uma importante contribuição para entender como a tributação exagerada e complexa atrapalha a vida dos brasileiros e impede a economia de crescer. O Sinprofaz – Sindicato dos Procuradores da Fazenda Nacional – divulga hoje estudo “Sonegação no Brasil – uma estimativa” que traz dados alarmantes: das arrecadações federais pesquisadas até 2011, as taxas de sonegação estimadas, como proporção do total arrecadado, seriam: do IPI, 33%; do IR, 30%; da Contribuição Previdenciária 28%, do IOF, 17%.  Na média de todos os tributos nacionais, uma sonegação de 24%, ou seja, quase um quarto de toda a receita fiscal, ou cerca de R$350 bi a valores de 2011!

Não chega a ser má notícia. O próprio presidente do Sinprofaz conclui, corretamente, que os brasileiros pagam demais, porque muitos não pagam. As alíquotas são altas para compensar. E a carga tributária, segundo ele, poderia ser reduzida sem prejuízo da arrecadação. Isso é música para os ouvidos de quem quer um novo Brasil, com impostos decentes e simples. Por coincidência, brasileiros lançaram ontem uma campanha AssinaBrasil (www.assinabrasil.org) com a meta de recolher 1,5 milhão de assinaturas, por meio de cliques de adesão no site acima, em apoio à proposta de um “Plano Real para os Impostos”. Se o Brasil quiser destravar seu crescimento com um sistema tributário simples para todos e eficiente, a fórmula está lá: simplificar os impostos, aglutinando as siglas malucas e, em seguida, começar a reduzir a carga aos poucos, como sugere o Sinprofaz. E, regulamentar o Conselho de Gestão Fiscal, previsto no art.67 da lei de Responsabilidade Fiscal e até hoje relegado. Tudo poderia estar melhor!

Ed.199

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…