Superávit primário em janeiro é recorde

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O superávit primário do setor público em janeiro foi de R$ 30,3 bilhões, o maior da série iniciada em 2001.  Este resultado é consequência de mais uma arrecadação recorde e ao atraso na aprovação do Orçamento. No entanto, no âmbito dos estados e municípios, o resultado fiscal foi o pior dos últimos cinco anos para meses de janeiro. Em 12 meses, o superávit fiscal primário consolidado atingiu o equivalente a 2,46% do PIB.

Embora o resultado tenha sido excelente para janeiro, não deve ser essa a tendência para o ano. O atraso na aprovação do Orçamento ajudou o governo federal a segurar gastos que serão realizados nos próximos meses. Os sinais de recuperação na economia e a política das desonerações tributárias não indicam resultados fiscais muito mais favoráveis. Estados e municípios continuam com gastos expressivos com juros, queda na arrecadação e elevação das despesas correntes. Tudo somado, obter um superávit de 3,1% do PIB para este ano não vai ser tarefa nada fácil.

Ed.133

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…