Score: chegou a hora das PMEs usarem-no?

Score: chegou a hora das PMEs usarem-no?

Roseli Garcia é diretora de Rede da Boa Vista SCPC

O nome, à primeira impressão, pode soar estranho. Essa palavrinha, entretanto, já é velha conhecida no universo do crédito. Traduzindo para a nossa linguagem coloquial, o score – que, literalmente, significa “pontuação” – é o resultado de uma avaliação feita por meio de cálculos estatísticos que concede uma “nota” de probabilidade para o comportamento de determinado cliente, seja uma pessoa ou uma empresa.

No caso de concessão de crédito, por exemplo, se o cliente tem um score alto, positivo; significa que ele tem um bom histórico de pagamentos, resultando em baixo risco para o seu negócio. No extremo oposto, se o cliente apresentar um score baixo, isso quer dizer que ele não anda tendo um comportamento exemplar no mercado, o que indica alto risco para quem aceitar seus pagamentos.

Mediante essas novas ferramentas que estão cada vez mais ao alcance do pequeno e médio empresário, a grande dúvida que permeia a equipe comercial é: vale a pena o investimento? Qual o melhor modelo?

O empreendedor, no calor da empolgação de adquirir novos clientes, acaba deixando de lado uma verificação mais detalhada de informações sobre esses “novos consumidores”. Permitindo que a emoção se sobreponha à razão, a consequência, muitas vezes, pode ser drástica: os cheques de valores polpudos retornam sem fundos, os boletos vencem e continuam sem pagamento. Idem às faturas e, toda essa afobação desnecessária, abre flanco para fraudes.

Com isso, mais uma vez o empresário encontra-se diante da típica situação em que “o barato sai caro”. Quando o prejuízo bate à porta, o que há a ser feito é incluir o nome do cliente nos serviços de proteção ao crédito, e até mesmo entrar com uma ação judicial para reaver o valor pago. Para que não se chegue a esses extremos, ações de prevenção são fundamentais. Daí voltemos à importância de se obter o score.

Explicando de modo simples: geralmente, para se utilizar informações de scores, é necessário ter na equipe da empresa um estatístico que saiba interpretar os dados – recurso que, sem dúvidas, a vasta maioria das PMEs não dispõe. Perante a situação, minha sugestão é: comece pelo modelo mais simples e vá sofisticando aos poucos. Aprenda a utilizar os recursos com quem faz isso como sua principal atividade, a exemplo das empresas de proteção ao crédito.

Hoje em dia, é possível encontrar vários serviços de score adequados aos pequenos e médios negócios, inclusive do próprio SCPC. Trata-se de modelos em que, coletando os dados do cliente, é possível apresentar ao empresário uma avaliação e interpretação básicas do seu comportamento de pagamentos. É possível saber se o cliente está honrando seus pagamentos na praça, ou se anda produzindo dívidas e deixando-as em aberto.

Ações preditivas são fundamentais para garantir a saúde do seu empreendimento. Converse com seu departamento comercial: juntos, vocês certamente encontrarão critérios para a elaboração de score. Reforçando o que eu disse acima: comece pelo mais simples e vá sofisticando aos poucos.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC leva consulta de CPF e palestra de orientação financeira ao I Tratamento do Superendividado no Jaraguá

No I Tratamento do Superendividado na Periferia, promovido pela Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, por meio do Procon-SP e do Centro de Integração da Cidadania, que acontecerá na próxima sexta-feira, dia 28 de julho, no bairro do Jaraguá, em São Paulo, a Boa Vista SCPC estará presente com uma série de serviços…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 0,7% no 1º semestre, segundo Boa Vista SCPC

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 0,7% no 1º semestre de 2017, em comparação ao 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação interanual, junho apresentou estabilidade nos dados, enquanto nos valores acumulados em 12 meses (julho de 2016 até junho…

Movimento do Comércio cai 3,2% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, caiu 3,2% no acumulado no ano (1º semestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12…