Paixões econômicas

Poucas áreas do conhecimento provocam discussões tão acaloradas e tão apaixonadas quanto a ciência econômica. A economia é uma ciência social que se esforça para se transformar em um instrumento de análise objetiva, com respostas concretas e definitivas sem fazer nenhum juízo de valor, mas esbarra nos limites ideológicos e passionais. Por mais díspares que sejam suas ideologias, todo economista costuma ter um objetivo fundamental em suas análises: encontrar uma solução para os problemas sociais.

Economistas estudam temas delicados como a pobreza, o crescimento e a desigualdade, e muitas vezes a sensibilidade com o contexto afeta a racionalidade das conclusões. Tentando encontrar um padrão de comportamento humano, nem sempre racional, a economia até já foi apelidada de forma depreciativa de “ciência sombria” ou “funesta” como resposta à sinistra teoria populacional de Thomas Malthus, economista do século XVIII que previa a inevitabilidade da fome como resultado do crescimento da população exceder a oferta de alimentos.

Mas superados os pessimismos, e com a grande expansão das economias a partir da Revolução Industrial, os estudos econômicos passaram a se concentrar em questões mais intensas, sempre tentando encontrar uma solução para três características essenciais das sociedades modernas: como equilibrar eficiência econômica com justiça social e liberdade individual? É aí que surgem os grandes embates. Qual a melhor forma de equilibrar essas variáveis? As forças de mercados são mais eficientes ou é necessária a intervenção reguladora dos governos? O debate é apimentado e as discussões de relacionamentos são intermináveis.

A atual discussão sobre o ajuste fiscal é mais um exemplo. Ele é mesmo necessário? A quem beneficiará? Trará maior eficiência para a economia sem aumentar os desequilíbrios entre ricos e pobres? Difícil dizer qual a resposta mais adequada. Nesse momento as discussões econômicas se entrelaçam com os exaltados debates políticos. E nesse contexto Keynes acertou ao dizer que “Homens práticos, que acreditam ser isentos de qualquer influência intelectual são geralmente escravos de algum economista morto”. Ideias e paixões movimentam o mundo e são importantes combustíveis para transformações. O desafio é acrescentar à elas a racionalidade nas decisões.

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…