CAGED: após quatro meses de queda, em julho foram criadas 131 mil novas vagas de trabalho formal

Foram divulgados os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), publicado pelo Ministério da Economia.

Em julho, o saldo de vagas no mercado de trabalho (resultado da diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 131.010 mil postos formais. O resultado ocorre após quatro meses consecutivos de redução no número de empregos formais. O desempenho do mês desacelerou o ritmo de queda na análise acumulada do ano, passando de 1,2 milhão em junho para 1,1 milhão de vagas fechadas entre janeiro e julho de 2020.

Avaliando os dados por segmentos, apenas o setor de Serviços registrou variação negativa no mês com o fechamento de 15,9 mil vagas. No sentido contrário, a Indústria Geral criou 53,6 mil novos postos de trabalho, seguida pelos setores de Construção (+ 42,0 mil), Comércio (+ 28,4 mil) e Agricultura (+ 23,0 mil).

Após registrar o fechamento de 1,6 milhão de vagas formais entre março e junho, em julho o mercado de trabalho começa a dar sinais de retomada da atividade interrompendo uma sequência de quatro meses de quedas consecutivas. Com isso, apesar do mal desempenho nos últimos meses, a divulgação atual inverte a tendência de queda do indicador na análise acumulada em 12 meses, indicando o fim do período mais intenso de aumento no nível de desemprego.

Ademais, apesar da melhora de julho, é importante ressaltar que o mercado de trabalho segue bastante fragilizado devido ao tamanho da queda no número de vagas durante a pandemia do novo coronavírus. No entanto, a flexibilização das regras de isolamento social e a gradual retomada da atividade econômica desde o final de junho sugerem que a economia comece a apresentar melhores sinais de recuperação ao longo do segundo semestre, superando o período mais agudo da crise e amenizando a onda de pessimismo que sonda o mercado desde o início do ano.

 


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Estatísticas monetárias e de crédito: Queda na inadimplência, na taxa de juros e no spread em agosto

O Banco Central divulgou as Estatísticas monetárias e de crédito em relação ao mês de agosto. O estoque total de empréstimos e financiamentos do país aumentou 1,9% em relação a julho, alcançando a marca de R$ 3.736,5 bilhões. Na comparação com agosto do ano passado, o saldo apresentou crescimento de 12,1%. Considerando a origem dos…

Confiança da indústria recupera toda perda acumulada em março-abril e atinge o maior nível desde janeiro de 2013

Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Índice de Confiança da Indústria (ICI) ficou em 106,7 pontos em setembro, avançando 8,1% em relação ao mês anterior, na série livre de influências sazonais. Já em relação a setembro do ano passado, o indicador avançou 10,9%. Com este resultado, o indicador atinge seu maior nível desde janeiro…

Banco Central revê projeções de Atividade e Crédito após período agudo da crise

O Banco Central divulgou hoje o Relatório de Inflação referente ao 2º trimestre do ano. Dentre os destaques, as expectativas em relação à Atividade e ao Crédito foram revisadas para cima.   Atividade   Em relação à Atividade, o Banco Central destacou que, após o período mais dramático da crise provocada pela pandemia e, consequentemente, da abrupta queda registrada nos…