1º Tri 2013 encerra com recuperação fraca e custos em alta

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A prorrogação da redução do IPI para automóveis pela Fazenda é claro da preocupação do governo com o desempenho do PIB em 2013, no terceiro e decisivo ano do mandato de Dilma. A mediana das expectativas de variação do PIB no 1º trimestre é de 1%. Se projetado de modo acumulado, o PIB chegaria onde o governo espera, em 4,5%. Mas é uma projeção em que ninguém confia, haja vista a manutenção do corte no IPI. O governo encerrou o trimestre jogando para o empate. Livrou o índice de inflação de ultrapassar o teto dos 6,5%, ao engendrar uma série de desonerações pontuais (energia, alimentos) e de adiamentos de reajustes (transporte público, combustíveis). Os preços cadentes em dólares das principais commodities ajudaram a segurar os impactos negativos dos hortigranjeiros em forte alta.

A corrida do governo atrás de resultados nas estatísticas lembra os difíceis anos 1970 e 1980, no pior período inflacionário. Apesar de não haver mecanismos de encadeamento automático de inflação como naquela época, o perigo de uma inflação de custos nos próximos meses está cada vez mais evidente. Vem pelos custos salariais e a pressão do pleno emprego com baixa produtividade. Esta combinação também explica porque a indústria não se mostra animada e se mantém à margem dos investimentos. Uma alta de juros, nesse ambiente de custos em alta, pouco ajudaria a segurar a inflação em 2013.

Ed.154

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…