Brasil cresce menos que seus vizinhos da AL

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

A Cepal reduziu ontem a expectativa de crescimento para os países da América Latina e Caribe em 2014 de 2,7% para 2,2%. Os principais responsáveis por esta queda foram Brasil e México, que tiveram suas projeções reduzidas para 1,4% e 2,5%, respectivamente. Dentre os nossos vizinhos, destaque positivo para o bom crescimento de Colômbia (+ 5,0%), Peru (+ 4,8%), Paraguai (+ 4,5%), Uruguai (+ 3,0%) e Chile (+ 3,0%). O destaque negativo fica para a Argentina (+0,2%) e a Venezuela (-0,5%), os dois piores resultados apresentados dentre todos os países da América Latina.

Crescer menos que a metade dos demais países da América Latina é um sinal alarmante para a nossa economia. Os desafios impostos pela crise econômica mundial de 2008 afetam a todos na região, e mesmo assim os nossos vizinhos conseguem entregar um maior crescimento. A incapacidade brasileira de crescer é mais um problema interno do que externo. A insistência num modelo já esgotado de autoconsumo está reduzindo a capacidade de crescimento da economia. Reconfigurar este modelo para um voltado aos investimentos seria fundamental para o País voltar a crescer. A ampliação dos gastos em obras de infraestrutura, em conjunto com medidas que proporcionem uma maior eficiência produtiva, como uma reforma tributária e uma melhor gestão dos gastos públicos, seriam o caminho para alcançar este objetivo.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…