Consumo inercial

 

Por Yan Cattani

Que o consumo não anda bem, o resultado do PIB divulgado no início do mês já havia nos alertado. Essa variável, talvez a principal para compreensão da atual crise econômica, teve em apenas um ano sua dinâmica completamente alterada e passou de um resultado positivo para outro péssimo. O significado é simples: menos compras, menos oferta de bens e serviços, menos renda.

Neste patamar, o consumo pode também ser considerado “inercial”. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a intenção de consumo das famílias caiu 1,6% em março, na comparação direta com fevereiro. O nível do indicador encontra-se abaixo de seu nível de otimismo (100 pontos-base, p.b.), marcando 77,5 pontos em uma escala que varia de 0 a 200. Com isso, 59,2% das famílias afirmaram estar com um nível de consumo menor que no mesmo período do ano passado. Além disso, outro item que chama atenção no relatório é a drástica redução das compras a prazo: com relação a março de 2015, a queda foi de 35,5%.

Tais dados confirmam a tendência apresentada hoje pelo indicador da Boa Vista SCPC de Demanda por Crédito do Consumidor. Até fevereiro, a variação acumulada em 12 meses manteve sua tendência negativa, com queda de 6,2%. Mantida a base de comparação, considerando os segmentos que compõe o indicador, as instituições financeiras apresentaram queda de 7,1%, enquanto nos segmento não-financeiro (utilities, telecom e varejo) caiu 5,7%. Fatores como a alta das taxas de juros, inflação elevada e piora do mercado de trabalho são apenas algumas das variáveis condicionantes desse resultado, que acabaram obrigando o consumidor a ser mais cauteloso e consequentemente comedir seu consumo.

A parcial evolução dos indicadores de confiança na economia nos últimos meses demonstra não uma significativa melhora das condições econômicas atuais ou de perspectiva, mas sim a de um consumidor que não consegue mais diferenciar uma perspectiva ruim de outra pior. Por esse e outros motivos, o consumo mostra-se completamente estagnado, devendo assim permanecer pelos próximos 2 trimestres.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…