Crise Chinesa amplia potencial de queda do real

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A subida forte do custo do dinheiro na China que bateu em 11% a.a. nas operações de uma semana e retornaram hoje ao patamar de 8,5%, dá a medida da mudança de rumo na política monetária do Banco do Povo da China, nome do banco central deles. A China vem sustentando a demanda agregada chinesa por meio de injeções maciças de liquidez desde 2009 quando eles reagiram rápido e agressivamente ao estouro da bolha imobiliária americana. Com isso, o crédito total em relação ao PIB chinês saltou de 120% para 200% em quatro anos, aumentando a alavancagem de entes estatais, empresas privadas e governamentais, todos pendurados em bancos públicos. A bolha creditícia chinesa está agora estourando.

O resultado desse ajuste chinês é imprevisível em sua intensidade, mas previsível perfeitamente na direção que tomará. A bolsa de Shangai já aponta para baixo, caindo cerca de 7% apenas na última quinzena. Outro desdobramento inevitável é a redução nos preços de commodities compradas pela China, que afetará desde minério de ferro até soja e cobre. O ciclo de altos preços de commodities parece estar com dias contados. Os países da América do Sul já sentem o golpe e o Brasil é um deles. A pressão cambial pela desvalorização nos exportadores de commodities é inevitável. E os juros tendem a subir, com queda de bolsa e de ouro, os ativos que vinham se valorizando. Um detalhe: a crise chinesa agrava o quadro criado pelas declarações recentes de Bernanke sobre começar a fazer refluir suas compras de títulos. Isso porque os bancos chineses terão mais prejuízos em suas carteiras de papeis americanos. O ano de 2013 tem tudo para ” não dar certo”.

Ed.211

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…