Despesas correntes crescem muito acima da inflação em 2013

Por Thiago Custódio Biscuola, da RC Consultores

Segundo dados divulgados pelo Tesouro Nacional, as despesas totais do Governo Central totalizaram R$ 510,3 bilhões até Julho de 2013, registrando crescimento de 12,8% em relação ao mesmo período de 2012. O destaque negativo fica por conta das despesas de Custeio e Capital que avançaram 15% em termos nominais frente aos primeiros 7 meses do ano passado. Por outro lado, as seguidas desonerações de impostos e o crescimento mais vagaroso da economia colaboraram para uma expansão mais lenta da receita, que cresceu 7,9% este ano, pouco acima da inflação acumulada em 12 meses, mas suficiente para espelhar a expansão do PIB nominal. O descompasso da despesa explosiva implicou na forte queda do superávit primário (economia para o pagamento de juros da dívida) que declinou 35% no mesmo período.

Na última ata publicada em Agosto de 2013, o BACEN mantinha uma visão otimista sobre o descompasso fiscal: “O Comitê nota ainda que a geração de superávit primários (…), além de contribuir para arrefecer o descompasso entre as taxas de crescimento da demanda e da oferta, solidifica a tendência de redução da razão dívida pública”. Mas restando apenas cinco meses para o fechamento do balanço deste ano, é difícil crer que haja uma reversão suficiente nas contas que evite maior necessidade de financiamento da máquina pública via emissão de títulos. O cenário de menor arrecadação e contínuo aumento dos gastos, muito acima da inflação e do PIB nominal, torna pouco crível que a meta de resultado fiscal de 2,3% do PIB seja alcançada este ano. Ainda segundo o BACEN, o “balanço fiscal [deve convergir] para a zona de neutralidade”. É um otimismo que não combina com os dados da expansão da despesa pública.

Ed.266

Comentários

comentários

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….