Desvalorização do real eleva inflação

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

A inflação (IPCA) de novembro registrou alta de 0,51%, acumulando em 12 meses incremento de 6,56%, novamente acima do teto da meta, a apenas um mês do fim do ano. Destaque para o retorno da inflação dos alimentos
(+0,77%), assim como da gasolina e da energia elétrica.

O combate à persistente inflação no Brasil tem se concentrado basicamente na elevação da taxa de juros pelo Banco Central (BC), que na última quarta subiu mais 0,5 p.p., levando a taxa Selic para 11,75% a.a. Tal estratégia não será suficiente para que os preços convirjam para o centro da meta de 4,5% ao longo de 2015, em função dos elevados gastos públicos, que pressionam a demanda, assim como da recente desvalorização cambial. Os itens comercializáveis, que são aqueles passíveis de importação e que, portanto, se encarecem com o dólar mais valorizado, já apresentam maior pressão sobre os preços. Em novembro de 2014, a alta acumulada em 12 meses desses itens era de 6,0% com o câmbio médio no patamar de R$/US$ 2,55. No mesmo mês de 2012, a inflação acumulada dos comercializáveis era de apenas 4,2%, influenciada pelo real mais forte (R$/US$ 2,07). Em 2015 o real se desvalorizará ainda mais (R$/US$ 2,65 projeção RC Consultores), dificultando o combate à inflação.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…