Juros Selic permanecem em 7,25%

Por Fábio Silveira, da RC Consultores

Em reunião encerrada ontem, o COPOM (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decidiu pela manutenção da taxa de juros Selic em 7,25% ao ano. Trata-se de decisão correta, apesar da forte pressão inflacionária observada atualmente, motivada sobretudo pelo encarecimento de serviços e de produtos agrícolas no atacado no 4o.Trimestre de 2012.

Para os próximos meses, a expectativa é de que os juros básicos continuem no patamar atual. Isto porque, o previsto aumento dos preços dos combustíveis deverá ser neutralizado pelo menor custo de energia elétrica. Preços agrícolas também começarão a cair, dentro de algum tempo, por conta do presente movimento de declínio das cotações internacionais desses produtos e do início da safra brasileira de grãos. Por outro lado, o desempenho fraco da indústria brasileira deve prosseguir até meados do ano, podendo assim abrir um flanco para que a política monetária volte a ter caráter um pouco mais expansionista.

Ed.107

Comentários

comentários

Posts relacionados

Pagamento de contas diversas é o que mais pesa no bolso do consumidor

São as contas diversas que estão impossibilitando de o consumidor manter o seu fluxo de caixa organizado e o “nome limpo”, segundo pesquisa online semestral realizada pela Boa Vista SCPC para identificar o Perfil do Consumidor Inadimplente. Dos quase 4 mil respondentes, de todo o Brasil, 23% afirmaram que manter em dia o pagamento de…

Inadimplência do consumidor cai 2,4% em novembro

A inadimplência do consumidor caiu 2,4% em novembro na avaliação mensal com ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Já nos valores acumulados em 12 meses (dezembro de 2016 até novembro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,5%. Quando comparado o resultado contra o mesmo mês de 2016,…

Produção Industrial registra crescimento de 0,2% em outubro e 1,5% em 12 meses

Dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) registrou crescimento de 0,2% em outubro, considerando a comparação mensal (série com ajuste sazonal). Considerando os últimos 12 meses, a recuperação ganhou mais consistência, uma vez que sua leitura foi de 0,4% para 1,5% entre os meses de setembro e outubro. Na comparação…