PIB cresceu apenas 0,9% em 2012

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Apesar dos sucessivos pacotes de estímulo ao crédito e desoneração tributária, a expansão do PIB foi de apenas 0,9%. Os investimentos foram a principal causa do baixo crescimento. A c (FBCF) recuou 4% em relação a 2011.    Esse resultado também foi impactado pelo recuo de 2,3% da agropecuária e pela queda de 0,8% da indústria. O consumo das famílias teve um crescimento de 3,1% e os serviços uma expansão de 1,7%. O resultado do PIB do Brasil em 2012 está entre os piores dos emergentes. O México cresceu 3,9%, o Peru, 6,3%, e a Rússia, 3,4%. China e Índia cresceram 7,8% e 5%, respectivamente.

O fraco crescimento do PIB e o recuo dos investimentos parecem demonstrar que o atual modelo de estímulo ao consumo se esgotou. A proporção entre o investimento e o PIB caiu de 19,3% em 2011 para 18,1% em 2012. Para este ano a taxa de investimento deve se situar entre 18,5% e 19%, número muito abaixo do necessário para que o Brasil cresça, de maneira sustentada, a 5%. O aumento do investimento depende, principalmente, da desoneração e simplificação fiscal. Sem reestruturar os sistemas de poupança e investimento, o Brasil vai continuar patinando em crescimento muito abaixo do potencial.

Ed.135

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…