[PESQUISA] 51% dos consumidores farão compras on-line para o Dia dos Namorados, contra 22% em 2019

As compras do Dia dos Namorados de 2020 serão mais digitais do que nunca. Enquanto em 2019 a opção por comprar o presente on-line atingiu 22% da preferência dos consumidores, em 2020 a intenção irá impactar 51%. Os dados são de pesquisa realizada pela Boa Vista para identificar hábitos e perspectivas de compra dos consumidores brasileiros para o Dia dos Namorados e indicam a mudança de hábito dos consumidores diante da pandemia. O estudo ouviu 860 entrevistados, de todas regiões do Brasil.

Mesmo diante do cenário de crise financeira, 40% dos entrevistados deverão gastar um pouco mais no presente deste ano em relação a 2019, enquanto 38% deverão investir a mesma quantia, e 22% terão que optar por valores mais baixos para presentear. A pretensão de compra para a data, entretanto, sofreu queda de 69% em 2019 para 46% em 2020.

Ticket médio

O ticket médio para as compras, segundo a pesquisa, será de R$ 302,00. Em 2019 o valor médio foi de R$ 292. Para 33% dos consultados, o investimento será de até R$ 100,00; 32% deverão priorizar presentes entre R$101,00 a R$ 200,00; 10% dos participantes valores de R$ 201,00 a R$400,00; e 25% gastarão valores superiores a R$ 400,00.

Meios de pagamento – à vista e parcelado

Além da generosidade no preço do presente a pesquisa aponta outro dado positivo para os comerciantes nesta data. Do total de entrevistados, 53% pagarão as compras à vista – em 2019 esse dado representava 59%. Dentre eles, 57% utilizarão o cartão de crédito. Compras no cartão de débito representarão a escolha de 25% dos entrevistados. Dinheiro 11%; enquanto carnê e boleto apenas 7% da preferência dos que foram ouvidos.

Para o pagamento parcelado, 47% farão essa escolha, e 94% utilizarão o cartão de crédito. 3% parcelarão a compra com carnê ou boleto e outros 3% com cartão de débito programado.

Presentes

Para agradar o(a) parceiro(a) os itens de maior interesse serão roupas e acessórios (33%), e jantar romântico (17%). Em relação a este último, 43% irão encomendar e solicitar o jantar via delivery.

Questionados sobre o que avaliam como decisão prioritária na escolha do presente, para 40% o preço é fator decisivo, seguido da necessidade para 30% dos entrevistados, e em terceiro ponto a disponibilidade do produto para 11%. O desejo pelo item representa 10%.

Renda impactada

O endividamento ainda é o principal motivo de não comprar presentes para 39%. Já o motivo por desemprego cresceu sete pontos percentuais em comparação ao ano de 2019, conforme detalha o gráfico abaixo.

Os dados da pesquisa também estão ilustrados em infográfico.

Metodologia

A pesquisa Dia dos Namorados 2020 foi realizada pela Boa Vista entre 15 a 28 de maio, com cerca de 860 consumidores, em todo o Brasil. Para a leitura dos resultados considerar cerca de 3 p.p. (pontos percentuais) de margem de erro e 95% de grau de confiança.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…