[PESQUISA] Consumidores priorizam o pagamento de contas básicas da casa durante a pandemia

As contas de concessionárias, como as de água, luz, gás, telefone e internet, são as despesas com o pagamento priorizado pelo consumidor brasileiro neste momento de pandemia da COVID-19, de acordo com uma nova pesquisa feita pela Boa Vista. As contas básicas da casa são mencionadas como prioridade por 43% dos entrevistados no estudo, que ouviu cerca de 450 consumidores de todo o Brasil, ao longo do mês de abril.

Em segundo lugar, estão as contas pagas por boletos, como as de condomínio, aluguel, plano de saúde, educação, IPVA, IPTU, seguros, planos de previdência, entre outros, com 30%. Já o pagamento do cartão de crédito ficou em terceiro lugar, com 13%. Financiamentos, empréstimos e crediários são as contas menos priorizados pelo consumidor neste momento. O gráfico a seguir ilustra os números.

Entre as contas com os pagamentos priorizados, os entrevistados responderam quais exatamente pretendem pagar. Dentre os que vão privilegiar as contas de concessionárias, 72% citam a de luz. Seguidos das de água (63%) e de TV a cabo e Internet (42%).

Já entre os respondentes que vão escolher o pagamento de boletos, as prioridades serão o aluguel da casa e os planos de saúde, com 33% respectivamente. No caso do cartão de crédito, os cartões concedidos por bancos serão priorizados. O gráfico abaixo detalha essas informações:

Hipótese de desemprego e queda na renda

No caso de uma eventual perda de emprego por conta da crise gerada pela pandemia, a maioria dos consumidores (41%) diz que seguirá priorizando as contas de concessionárias, seguidas dos boletos (30%), dos financiamentos (11%), do cartão de crédito (10%), empréstimos (6%) e crediários (2%).

Já em um eventual cenário de queda na renda familiar em decorrência da pandemia da COVID-19, o cenário é parecido, mas não idêntico: 45% vão priorizar as contas de concessionárias, 30% os boletos, 11% o cartão de crédito, 8% os financiamentos – nesta hipótese os financiamentos vêm depois do cartão de crédito –, 5% os empréstimos e 1% os crediários.

Consulta de score e CPF

Consumidores que já enfrentam dificuldades para manter o pagamento das contas em dia ou que já têm alguma conta com débito em aberto podem consultar, gratuitamente, como está a situação do CPF ou mesmo do score (nota de crédito) no site www.consumidorpositivo.com.br ou no aplicativo Boa Vista Consumidor Positivo, disponível nas lojas Google Play e App Store.

As informações da pesquisa também estão ilustradas em infográfico.

Metodologia

A pesquisa sobre as contas que priorizadas durante a pandemia do novo coronavírus foi feita pela Boa Vista de forma quantitativa entre 9 e 15 de abril de 2020, com cerca de 450 consumidores de todo o Brasil. Para a leitura dos resultados considerar cerca de 3 p.p. (pontos percentuais) de margem de erro e 80% de grau de confiança.

Confira as divulgações da Boa Vista para a Imprensa em:

www.boavistaservicos.com.br/releases


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…