Rating soberano em xeque

Por Bruna Martins e Flávio Calife, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC.

Na noite de ontem, a Petrobras perdeu o grau de investimento após a agência de classificação de riscos Moody’s rebaixar o rating de crédito corporativo em dois graus, de “Baa3” para “Ba2”, passando para o grau de especulação.

O Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tentou evitar o rebaixamento por meio de uma garantia por escrito de que a União socorreria a empresa em caso de default, mas não surtiu efeito. Desde o primeiro corte do rating no início do ano, a Moody’s tem alertado o governo sobre a possível perda de grau de investimento da estatal. Para a agência, a companhia aumentou seu risco devido aos escândalos de corrupção, à dúvida quanto a publicação das demonstrações financeiras de 2014 auditadas e ao alto endividamento da companhia.

Depois do rebaixamento, a credibilidade da Petrobras, que já estava abalada, deteriorou-se por completo. A partir de agora, os questionamentos sobre a falta de liquidez tendem a aumentar por causa das possíveis complicações em conseguir novos empréstimos e honrar as dívidas já existentes. Apesar do provável aumento do fluxo de caixa operacional em 2015 – devido aos reajustes dos preços de gasolina e diesel – os valores não devem suprir os recursos de fundos de pensão que deverão ser retirados da empresa caso outra agência também reduza a nota de risco.

No curto prazo, a piora na situação da principal empresa do país provoca efeitos multiplicadores sobre uma série de setores da economia brasileira, levando a uma revisão para baixo das expectativas de crescimento da atividade. O rebaixamento da Petrobras coloca em xeque o rating soberano. Caso seja necessária uma nova capitalização da companhia, via Tesouro, os ajustes fiscais esperados estarão comprometidos, aumentando consideravelmente a possibilidade do país perder seu grau de investimento.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,10% em abril, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,10% em abril, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve diminuição (em março o nível foi de 2,29%),…

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor cai 2,3% em abril

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 2,3% em abril com ajuste sazonal frente a março, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (maio de 2016 até abril de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve desaceleração da…

Movimento do Comércio cai 1,0% em abril, diz Boa Vista SCPC

Dados do varejo apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), apontam que o Movimento do Comércio caiu 1,0% em abril, considerando as informações mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (maio de 2016 até abril de 2017) houve queda de 3,4% frente aos 12 meses antecedentes. Já na…