Veículos: comércio compromete produção

Por Yan Cattani, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

Os dados da indústria a serem divulgados amanhã pelo IBGE deverão finalmente mostrar elevação da produção. Não devido à retomada da atividade econômica, mas principalmente pelo efeito base de comparação. A média estimada pelo mercado já aponta alta de mais de 1% em janeiro, na análise dos dados dessazonalizados. A alta ainda deve se confirmar com o levantamento de alguns indicadores antecedentes da economia, como vendas de papelão ondulado (utilizados para encaixotamento de produtos) e o fluxo pedagiado de veículos nas estradas (fretamento de mercadorias das indústrias até as lojas), que obtiveram elevação em janeiro.

As expectativas, no entanto, não são muito boas para o principal ramo industrial, o automotivo. Dados de hoje da Fenabrave sobre as vendas de veículos continuam batendo recordes negativos: no primeiro bimestre de 2015 as vendas totais de automóveis acumulam queda de 23,1%, o que deve influenciar o ritmo esperado da produção. Ainda que paliativas, algumas medidas podem contribuir para amenizar as perdas no comércio e, consequentemente, na indústria.

A manutenção do comércio de veículos entre Brasil e México nos moldes atuais deverá prolongar o bloqueio de importações imposto pelo governo brasileiro há 3 anos, favorecendo a produção nacional. Outra importante medida é a prorrogação por 12 meses do financiamento para aquisição de caminhões (proposta adicionada pelo governo à Lei dos Caminhoneiros, sancionada ontem), ramo recentemente prejudicado pela reversão do Programa de Sustentação de Investimentos (PSI, do BNDES).

Mesmo assim, a baixa demanda dos consumidores tem influenciado demais as expectativas de comércio de veículos. As projeções da Fenabrave para o setor em 2015 mostram que o cenário está se deteriorando: hoje a entidade revisou sua estimativa de -0,5% para -10% nas vendas. Enquanto o comércio para o setor não mostra recuperação, o horizonte industrial também fica comprometido, já que dificilmente a produção será retomada sem a respectiva “desova” dos estoques pelas revendedoras.

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…