Mãos atadas

Por Bruna Martins e Flávio Calife, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC.

O Banco Central (BC) manteve o ciclo de aperto monetário ao elevar em 0,5 ponto percentual a taxa básica de juros, que atingiu 12,75% ao ano. O comunicado divulgado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) não deu sinais sobre o futuro da política monetária, apenas declarou que a elevação deve-se ao cenário macroeconômico e às perspectivas para a inflação. O mais plausível é esperar por novas elevações da Selic, uma vez que as projeções para a inflação andam bem acima do teto da meta.

A alta do dólar e a instabilidade política sobre as medidas de austeridade também tendem a pressionar a manutenção do ciclo de elevação dos juros devido aos impactos sobre a inflação. Com a cotação do dólar próxima aos R$ 3,00, a desvalorização cambial chegou a 14,6% desde a última reunião do Copom (em janeiro deste ano). Depois da declaração feita pelo ministro da Fazenda de que o governo reduziria a intervenção no câmbio, as elevações do dólar foram sucessivas, e podem ser intensificadas se o BC não rolar o vencimento do swap cambial de abril.

Há também preocupação com o cumprimento da meta fiscal depois da devolução da MP 669 e suas consequências. Quanto mais restritiva a política fiscal, menores os esforços do BC para reduzir os preços, por isso os ajustes fiscais são esperados com tanta ansiedade.

O aumento da taxa básica de juros encarece a tomada de crédito e inibe os investimentos, reduzindo ainda mais a atividade econômica, que também será prejudicada pelos ajustes fiscais. São em momentos de crescimento econômico que políticas fiscal e monetária contracionistas costumam ser adotadas, não em momentos de recuo da atividade econômica. A atual situação da economia brasileira não nos deixa essa opção.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…