[PESQUISA] Mais da metade das MPMEs tiveram impacto acima de 40% no fluxo de caixa após a pandemia

Uma pesquisa realizada pela Boa Vista, com micro, pequenos e médios empresários, constatou que 57% das empresas destes portes já sofrem impactos de ao menos 41% no fluxo de caixa por conta da pandemia da Covid-19. Ainda de acordo com o levantamento, feito para identificar as consequências da pandemia para às MPMEs, 66% delas tiveram retrações a partir de 41% em suas vendas, ao passo que pouco menos da metade (49%) teve diminuição de 41% ou mais nos recebimentos dos clientes. Para o estudo, a Boa Vista ouviu 354 micro, pequenos e médios empresários, representantes dos setores da Indústria e do Comércio, em todo o Brasil.

A Boa Vista também quis ouvir os empresários sobre suas expectativas em relação à recuperação dos negócios. Apenas 26% dos entrevistados esperam uma melhora na manutenção do seu negócio, considerando vendas, recebimentos e pagamentos, ao final dos próximos três meses, enquanto 34% preveem estabilidade neste período e 40% acreditam numa piora.

Perguntados sobre quais necessidades, caso atendidas, ajudariam a recuperar o negócio, a maioria dos empresários apontou a conquista de novos clientes (57%) além de driblar a inadimplência (43%) e ampliar a atuação no mercado (39%). Destacam-se também acesso a outros canais de vendas (parcerias e-commerce), (13%), ter outros canais para pagamentos e links de pagamentos (13%), e garantir entregas através de empresas de logística (10%), necessidades que podem ser supridas por meio de parcerias em negócios. Nesta questão, os entrevistados puderam apontar mais de uma alternativa de necessidade, sendo que cada um apontou, em média, três.

Ainda em relação à importância dada pelas MPMEs às parcerias de negócios, 71% dos entrevistados as consideram importante para pagamentos e recebimentos on-line. Já para as vendas on-line, 55% acreditam que as parcerias importam, enquanto em relação a entregas de mercadoria, estes são 40%.

Boa Vista promove parcerias para ajudar empresas na crise

Seguindo seu propósito de trabalhar pelo equilíbrio das relações de consumo, a Boa Vista tem se preocupado em contribuir com a economia do país nesse momento de crise. Para isso, vem promovendo parcerias com grandes empresas como Mercado Livre, Mercado Pago e Magalu, a fim de ajudar principalmente as MPMEs a manterem seus negócios funcionando durante a pandemia, atuando na disponibilização de canais e soluções on-line em conjunto com os parceiros citados.

Manutenção do negócio

A Boa Vista saber que garantir o recebimento e ampliar as vendas são grandes desafios enfrentados pelos empresários neste momento de crise. Para apoiá-los na manutenção dos negócios, a empresa aconselha medidas como ações de prospecção de novos clientes; segmentação e qualificação de clientes para ação de marketing, assim como de recuperação de crédito e de cobrança. As informações do Cadastro Positivo também já enriquecem soluções que podem ajudar o empresário na tomada de decisões mais assertivas, que ajudam a minimizar a inadimplência.

Os dados desta pesquisa também estão dispostos em infográfico.

Metodologia

A Pesquisa Impactos da Pandemia nos Micro, Pequenos e Médios negócios foi realizada pela Boa Vista, no último mês de maio, com 354 empresários, dos setores do Comércio e da Indústria. Para a leitura dos resultados considerar cerca de 4 p.p. (pontos percentuais) de margem de erro e 90% de grau de confiança.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…